segunda-feira, 18 de fevereiro de 2013

Fuzilamentos em Cuba


José Saramago, comunista de carteirinha, em 14/04/2003, condenou o fuzilamento de três opositores do regime de Fidel Castro. Eis a notícia publicada no Jornal do Dia em Portugal naquela data:

O escritor português e Nobel da Literatura José Saramago
criticou hoje os três fuzilamentos da semana passada em Cuba, manifestando "decepção" face ao regime cubano de Fidel Castro.
"Cuba não ganhou nenhuma heróica batalha fuzilando esses três homens, mas perdeu a minha confiança, destruiu as minhas esperanças e defraudou as minhas expectativas", escreve Saramago num artigo de opinião hoje publicado no "El País", com o título "Até aqui cheguei".


O Nobel da Literatura português, que sempre tinha apoiado o regime de Fidel Castro, afirma agora ter chegado "até aqui" e que "de agora para a frente Cuba seguirá seu caminho" e ele fica.

"Discordar é um acto irrenunciável de consciência", devendo a decisão das autoridades cubanas ser demonstrada "com provas irrefutáveis".

3 comentários:

MikePernambuco disse...

Porque saramago nao foi pro paredon tambem ????? Agora ele e' bonzinho ???? Comunista bom e' comunista morto

Adriano Couto disse...

"Comunista bom e' comunista morto"

Assino embaixo!

Laguardia disse...

MikePernambucano

José Saramago não foi para o paredon porque era portugues e vivia em Portugal, um estado democrático de dieito, aonde diferentemente de Cuba, reina a democracia e a liberdade de expressão.

Não concordo com a idéia de que bomo comunista é comunista morto. O bom comunista é aquele que respeita a democracia e a liberdade de expressão. Infelizmente são poucos os comunistas como José Saramago, que tinha autoridade e coragem de defender a democracia e os direitos humanos.