quarta-feira, 18 de agosto de 2010

Alerta aos Cristãos




E não sede conformados com este mundo, mas sede transformados pela renovação do vosso entendimento, para que experimenteis qual seja a boa, agradável, e perfeita vontade de Deus. Romanos 12:2

Vivemos numa época em que a ética, a honestidade, a dignidade e a moral foram completamente banalizados. Tornou-se políticamente incorreto se condenar a prática do homossexualismo, de se condenar o aborto e de se condenar os políticos por seus atos anti-étidos e desonestos.

Nós cristãos estamos precisando renovar nosso entendimento para que experimentemos a boa, agradável e perfeita vontade de Deus.

Me preocupa o apoio que vem recebendo, principalmente no meio protestante, a candidata do governo, Dilma Rousseff, que defende abertamente a descriminalização do aborto, defende o direito da união homossexual e se alia ao que de mais podre há na política brasileira.

Portanto, rogo aos irmãos, em nome de nosso Senhor e Salvador Jesus que não se assentem na roda dos escarnecedores. Não votem em Dilma Rousseff.

3 comentários:

Ricardo Froes disse...

Laguardia:

Muito embora as minhas posições quanto ao aborto e o homossexualismo sejam um pouco mais liberais que as suas, considero ambos os temas preocupantes se forem tratados na base do “liberou geral”.

Sem compromissos religiosos, a minha abordagem tende a ser essencialmente objetiva em ambos os casos. O aborto é complicado, trata-se de vidas e do que são vidas em um jogo complicado que envolve consciências e decisões graves. Ainda merece muito estudo, atenção, seriedade e isenção.

Falar do homossexualismo é mais simples. Por princípio eu sou contra qualquer coisa que seja anti-natural, e o homossexualismo o é, muito embora eu defenda o direito de qualquer um de usar seu corpo como bem entender. O que me preocupa não é a pederastia ou o lesbianismo em si, mas sim o comportamento histriônico e imoral de determinados grupos que, a pretexto de se afirmarem socialmente, se julgam no direito de cometer toda a sorte de obscenidades em público.

O problema é que hoje está ocorrendo uma séria inversão de valores. De acordo com uma lei recente, não sei se municipal, estadual ou federal, agora é crime até chamar a atenção de pares do mesmo sexo que estejam trocando carícias em qualquer lugar público. O problema é que, se um casal normal, macho e fêmea, fizerem o mesmo, corre o risco de ser acusado de atentado ao pudor.

Ainda neste domingo que passou, em um restaurante aqui no Rio, um pai, escandalizado com duas bibas que se apalpavam e se beijavam, à mesa ao lado da sua, onde ele, a esposa e o filho de dez anos almoçavam, revoltou-se e largou um sopapo na cara de uma delas, provavelmente após alguns pedidos não atendidos para que parassem com a esfregação e a troca de cuspe. Confesso que faria – e já fiz – a mesma coisa. Com quatro filhos e um neto, sempre morador de Ipanema, o paraíso gay, pode-se imaginar o que eu já passei para livrá-los dessas visões dantescas.

Tais situações a cada dia se multiplicam exatamente pelo status excepcional que tanto a Justiça quanto parte da sociedade quer dar a homens e mulheres biológicamente iguais a nós, mas que pleiteiam privilégios inaceitáveis apenas por terem um comportamento imoral. É um absurdo.

Sob o aspecto prático, legalizar-se uma união ou casamento gay é igualmente absurdo. Primeiro que “casal”, em todas as línguas, é definido como um “par formado por macho e fêmea”. Fora isso, já imaginaram o prejuízo que vai ter o já falido INSS com essa nova leva de dependentes que vão receber pensões?

Não é piada não! Se os estimados 10% da população, que são homossexuais, resolverem se casar, o INSS explode!

Em tudo e por tudo, essa hipervalorização da imagem do homossexual como ser superior, sensível e que merece mais atençao e privilégios do que nós, os “normais” é totalmente equivocada e injusta. É como diz Reinaldo Azevedo: a minoria que mais sofre hoje é a do homem de classe média, branco, cristão e heterossexual. A nossa.

P.S.: Embora ateu, eu me incluo nos cristãos sim, porque não renego os valores responsáveis pela minha formação.

Pb. Valdinei disse...

Desde o inicio o povo cristão prega contra tudo isso que esta ai,aborto, homossexualismo etc. mas na hora de votar... sempre deixa a desejar, que Deus nos ilumine neste momento tão importante.

Marc disse...

Do mesmo modo que Ricardo Froes, respeito incondicionalmente a vida.
Respeito também as opções, digamos assim, sexuais, de cada um, desde que não as esfreguem na minha cara ou na cara da sociedade.
Não vejo motivo de existirem leis específicas para minorias barulhentas como não vejo necessidade dessa montanha de estatutos para "proteger" tal ou tal categoria de cidadão.