quinta-feira, 23 de setembro de 2010

A Visão do Leitor


Blogger Ricardo Froes disse...

Eu custo a crer que alguns membros do Supremo Tribunal Federal não tenham a mínima noção do que seja a função precípua da Justiça, qual seja a de legitimar a ética e a moral da sociedade como um todo e fazê-las respeitadas através das leis aplicadas.

Eu custo a crer que um recurso extraordinário do candidato ao governo do Distrito Federal Joaquim Roriz contestando a aplicabilidade da “Ficha Limpa” em causa própria por causa de uma emenda criminosa que mudou os tempos verbais da lei, possa dar margem a alguma discussão sobre a sua validade.

Eu custo a crer que o presidente do STF, Cezar Peluso, tenha dito que “temos no caso uma hipótese exemplar de emenda que alterou o conteúdo semântico do texto” e que considerou o texto inconstitucional por vício de formalidade.

Eu custo a crer que os dois milhões de brasileiros que assinaram essa lei – que tem hoje 85% de aprovação popular – possam ser tão maltratados exatamente por quem cabe protegê-los, em sua instância máxima.

Eu custo a crer que seja preciso que outros dois milhões de brasileiros reiterem a sua vontade apenas para tentar sensibilizar meia dúzia de togados que se julgam donos da verdade.

Eu custo a crer que acabei de ouvir agora o ministro José Dias Toffoli – que ontem pediu vista no processo – falar em “presunção de inocência” quando a lei é clara nesse aspecto, mesmo com o verbo no futuro, e fala nos “que forem condenados em primeira ou única instância”. Ora, se “forem condenados” não pode haver “presunção de inocência”.

Eu custo a crer neste exato momento que escrevo que estou ouvindo o ministro José Dias Toffoli há mais de uma hora falando sobre o sexo dos anjos.

Eu custo a crer que a insensibilidade desses ministros chegue ao ponto de desconhecer que o povo brasileiro propôs essa lei pela urgência de moralizar a classe política.

Eu custo a crer que a inépcia desses juízes considere que uma vírgula, um tempo de verbo ou qualquer motivo de ordem semântica seja motivo para se aplicar a lei que regula as leis em vez de julgar, como seria de sua competência.

Eu custo a crer que nós não temos juízes e sim, meros aplicadores da lei.

Dias Tófoli é aquele Ministro do Supremo Tribunal indicado por Lula. Foi advogado de Lula e do PT.
Prestou concurso para juiz três vezes e em todas as vezes foi reprovado.
Foi condenado em primeira instância no Amapá.
E diz a nossa constituição que os Ministros do STF devem ser homens de notório saber jurídico (será que tendo sido reprovado três vezes em concurso para juiz, Dias Tófoli tem notório saber jurídico) e reputação ilibada (um advogado condenado tem reputação ilibada?)
Dias Tófoli e alguns juízes foram colocados no STF por Lula com a finalidade única e exclusiva de defender as maracutaias do PT e de seus dirigentes.

Um comentário:

Star disse...

Infelizmente eles não tem reputação ilibada, só ficha corrida.
Todos se medem por Lula, como ele é coisa nenhuma e vale nada... temos isso aí.