segunda-feira, 11 de julho de 2011

A Visão do Leitor

  Com respeito ao Mensalão:

Anônimo disse...

Não façam confusão!

Acusação é uma coisa, condenação outra!

Correto. Acusação tem como base as provas levantadas durante as investigações.

O que não se baseia em provas não é a acusação é a denuncia. A denuncia leva às autoridades a iniciar uma investigação. 

 Com o levantamento das provas ocorre a denuncia. Se a investigação iniciada com a denuncia, esta última é arquivada.

O Julgamento só condenará após examinar as provas materiais contra os acusados.

O leitor faz mais uma confusão. O julgamento é o direito que o réu tem de apresentar a defesa, isto é procura refutar as provas apresentadas. O juiz então define se a defesa é ou não sólida. 

A pergunta que não cala é:
Elas existem?????

Existem. Sugiro o leitor acessar o site do Congresso Nacional http://www.senado.gov.br/atividade/Comissoes/CPI/RelatorioFinalCorreios.asp e verificar as provas colhidas.

Com base nas provas levantadas pela CPMI e pela Polícia Federal, o Procurador Geral da República apresentou a denúncia ao Supremo Tribunal Federal.

Os Ministros do STF após analisar as provas apresentadas pelo Procurador Geral da República, decidiu por unanimidade que as provas eram consistentes e que os acusados seriam transformados em réus e aberto a oportunidade para apresentarem suas defesas. 

Ainda mais quando o principal "denunciante" é réu, não apresentou nada além de muita falação e trata-se de um calhorda desclassificado.

Ninguém melhor para denunciar um criminoso do que outro criminoso, principalmente quando fazem parte da mesma quadrilha. Em geral uma pessoa honesta não está envolvida em uma quadrilha como esta. 

Acusar sem provas é coisa de gente irresponsável, linchadores morais...

No caso do mensalão não há acusação sem provas, muito antes pelo contrário.

Irresponsabilidade e falta de honestidade moral é defender calhordas mensaleiros sem tomar conhecimento das provas apresentadas ao STF. Deve-se no mínimo ler o que foi apresentado e não se basear em achismos ideológicos. 

Não apostem em resultado no STF que satisfaça a sanha revanchista, Provavelmente o STF vai decepcioná-los

Não será a primeira vez que o STF agindo de forma venal, em vez de administrar a justiça opta por uma decisão política no afã de agradar a elite no poder.

 Foi isto que aconteceu no Battisti em que o STF abandonou a sua função constitucional e acobertou uma ilegalidade cometida pelo executivo.

Isto é que dá a má qualidade de ensino em nosso país. Não se busca mais a informação na fonte. Não se critica o que se houve. Dão palpites infelizes com base em achismos absurdos ou movidos pelo fanatismo ideológico.

Sugiro ao anônimo que use seus neurônios com mais responsabilidade. Pelo menos leia e analise com atenção as provas levantadas pela CPMI  e leia os argumentos apresentados pelo Procurador Geral da República. Tudo disponível na internet.

É preciso não ter preguiça mental. Com informação se passa menos vergonha! 

3 comentários:

mery disse...

Fanatismo ideológico, amnésia mental, sei lá...
Ainda bem que existem pessoas lúcidas, aqui...
Mas, infelizmente, a maioria do povo que vota é da classe mais pobre, aqueles que se deixam iludir com uma esmolinha,
é deprimente!
Abraços,meu amigo/ Mery

Anônimo disse...

Mery,

Os pobres não se deixam iludir por uma esmolinha mas podem prestar mais atenção em quem lhes dá um prato de comida.
Pobre não é,necessáriamente burro.
Burro é quem nunca prestou atenção em pobre porque comunga com ideias de que todos devem ser capazes de sobreviver e quem não tem comida, na verdade não merece comer...
Em um mundo ideal ninguém precisa de ajuda, não é mesmo?
Mas não ajudar não cria desenvolvimento, cria miseráveis!

Anônimo disse...

Anônimo Decente

Burro ninguém é, mas analfabetos certamente são milhões, muitos funcionais, e na maioria são eles que elegeram e/ou votam nos bandidos que lhes concedem as migalhas, com as quais ficam eternamente escravos.
Essa gente eleitora do lulopetismo e da base alugada sequer tem contato com notícias e jornais, recebem uma esmola mata-fome, desconhecendo que a contrapartida do seu voto, favorecerá o enriquecimento de centenas de políticos, seus familiares e empresas que os apoiam. Jamais saberão disso, e se souberem jamais interpretarão o fato como ele é.